Notícia

'Cenário das eleições de 2018 será parecido com o de 1989', diz professor

POR Revista BRasil Atual

Para Vitor Marchetti, da Universidade Federal do ABC, disputa presidencial será teste para saber se "o centro político dissolveu ou não", com predomínio da polarização no embate eleitoral
por Redação RBA publicado 11/11/2017 12h03, última modificação 11/11/2017 12h10
Juca Varella/Agência Brasil
polarização política

Marchetti: 'Jogo está pulverizado. Terá muita novidade de nomes que não esperávamos, mas vão aparecer'

São Paulo – A falta de capacidade dos partidos de coordenarem o jogo político tornará o cenário das eleições de 2018 igual ao de 1989, ou seja, bastante fragmentado. Essa é a avaliação do cientista político e professor da Universidade Federal do ABC (UFABC), Vitor Marchetti. "Um candidato que receba 25% ou 30% de votos pode ter muitas chances de disputar segundo turno", afirma, em entrevista aos jornalistas Marilu Cabañas e Glauco Faria à Rádio Brasil Atual, nesta sexta-feira (10). 

O especialista também avaliou a disputa que acontece no PSDB. Nesta quinta-feira (9), o senador Aécio Neves (MG) destituiu o também senador Tasso Jereissati (CE) da presidência do partido. "Essas disputas no PSDB parecem uma questão de sobrevivência do partido para 2018, porque há o risco de a legenda ter iniciado todo o processo do golpe parlamentar e não conseguir capitalizar eleitoralmente isso", avalia. Leia a entrevista:

O senador Aécio Neves (MG) destituiu Tasso Jereissati (CE) da presidência do PSDB, causando uma cisão entre tucanos, não?

Isso tem sido encarado por alguns membros do partido como uma intervenção do governo no PSDB. Na realidade, a gente tem assistido entrevistas, Fernando Henrique escreveu um artigo, mostrando que há um debate dentro do partido para decidir se desembarca ou não do governo, como sobreviver eleitoralmente... e precisamos lembrar que no final do ano haverá eleição dentro da legenda.

O contexto do PSDB é de disputas internas bastante internas. Em São Paulo, vemos isso com proximidade nos conflitos entre João Doria, Geraldo Alckmin, José Serra, que por vezes dá as caras na disputa... Se por um lado há a agenda liberal das reformas, que eles sempre defenderam, como a da Previdência, destituição de direitos trabalhistas, por outro sabem que estão abraçados a um governo com rejeição altíssima, comprometido com escândalos de corrupção.

São disputas dentro do contexto de sobrevivência do partido no ano que vem. O risco é que o PSDB tenha iniciado todo o processo do golpe parlamentar contra a presidenta Dilma e não consiga capitalizar eleitoralmente isso em 2018. Assumiu todo protagonismo, logo no primeiro dia depois das eleições começou a questionar os resultados eleitorais, foi protagonista nesse processo de golpe parlamentar e o grande temor desses atores é não conseguir capitalizar lá na frente. 

Sobre as pré-candidaturas. Manuella D’Ávila anunciou sua candidatura pelo PCdoB, que fazia a dobradinha com o PT tradicionalmente. Como você avalia a situação?

Esse tema foi quente no debate e produziu divisões no campo da esquerda. Acho que o cenário de 2018 já está configurado como muito parecido com o de 1989, ou seja, os partidos perderam a capacidade de coordenar o jogo político. Isso significa que no ano que vem teremos um número grande de candidatos à presidência da República.

O jogo está pulverizado e coloca um cenário em que um candidato que tenha 25%, 30% de intenções de voto tenha muitas chances de ir para o segundo turno nas eleições presidenciais.

No campo da esquerda, eu vejo uma tentativa de reunir o campo em volta de Lula. Qual é o problema dessa estratégia, na minha opinião? A candidatura de Lula é a única capaz de oferecer uma liderança nacional, seja de esquerda ou de direita. O grande risco da esquerda se reunir em torno de uma única liderança e a direita se fragmentar é que teremos um cenário de incerteza e instabilidade em relação ao petista. Está claro que a candidatura dele não chegará em 2018 com tranquilidade legal e institucional, ainda há muitos movimentos que serão feitos para inviabilizá-lo.

Há outro elemento, por mais que a candidatura de Lula possa reunir o campo da esquerda também temos que lidar com a rejeição ao nome dele. Podemos até discutir como essa rejeição foi construída, as imagens da grande imprensa, mas é um fato com o qual temos que lidar. Esse movimento do PCdoB reflete um diagnóstico de que talvez a esquerda tenha que oferecer um leque maior de opções na disputa eleitoral.

No campo da direita, tem Bolsonaro, Doria, Alckmin, vários partidos como o Novo, a Rede, e até a figura do Luciano Huck aparece como uma candidatura para dialogar com o centro político do país. Haverá muita novidade em torno de nomes que não esperávamos como candidatos e em um ambiente de ultra fragmentação um número menor de votos pode ser capaz de impulsionar uma candidatura.

Na campanha de 2006, no segundo turno, Geraldo Alckmin enfrentou Lula e teve que se vestir com um macacão com logos de empresas estatais. Comparando com hoje, parece que esses candidatos da direita e centro-direita não estão mais tão preocupados com isso, pelo contrário, 'namoram' o mercado de forma mais explícita. O neoliberalismo está mais vigoroso?

Em 2006, o Alckmin conseguiu a façanha de ter menos votos no segundo turno do que no primeiro. Isso mostra as dificuldades que ele tinha para uma articulação nacional. A gente tem que lembrar que essa agenda liberal não chegou ao governo por meio do voto. Essas destituições dos direitos chegaram por meio de um golpe.

Olhando as posturas do Alckmin, que acho ser o ator político que tem mais bagagem na disputa eleitoral no campo da direita, ele titubeia ao fazer a defesa radical dessa agenda. às vezes, critica o governo, agora, vai em cima da agenda da corrupção moral. Ele tem uma sensibilidade para entender que a agenda liberal não chegou no governo por meio do voto, portanto, apostar as fichas que ela vai dar o tom nas próximas eleições é arriscado.

Alckmin já até criticou a reforma da Previdência, fazendo esse aceno para além da direita. Porém, tem o teto de gastos que ele quer impor no estado de São Paulo, que tem um cunho liberal forte. A postura discursiva difere da prática...

A agenda liberal é parte da agenda do PSDB, os projetos de privatização do país mostram isso e entraram com mais força nos governos tucanos. Quero dizer que quando um ator que está dentro de um partido que carrega a agenda liberal tem de alguma maneira que disfarçar o apoio a essa agenda, em 2018, parece que o movimento não vai ser tão forte como em 2006, mas ele vai precisar, de alguma forma, escamotear, dialogar com o eleitor que sabe que essa agenda liberal produz consequências graves para o emprego, a capacidade de compra, as políticas públicas de assistência. Então, esse é o dilema que permanece. A agenda liberal está colocada para o país, mas não se sabe o tamanho da adesão da população.

A principal liderança política, maturada e histórica, para 2018 é Lula, mas depois dele, a única pessoa que entende o jogo e o faz de forma peculiar é o Alckmin. Veja o que ele fez com o (João) Doria, ele não entrou em bola dividida, deu corda para que o prefeito se enforcasse nela própria. Há dados que mostram que a imagem do Doria, de gestor eficiente, começa a naufragar.

Eu me lembro de uma reportagem da Revista Piauí sobre o perfil do Geraldo Alckmin que tem uma cena que é simbólica: enquanto os tucanos Tasso, Fernando Henrique, Aécio, decidiam os rumos do partido em um restaurante dos mais caros em São Paulo, ele estava se reunindo em restaurante de beira de estrada com prefeitos de cidades pequenas e médias do interior de São Paulo. Ele tem um jeito de fazer política de um modo muito perspicaz, no sentido inclusive de fazer o discurso que vai cair melhor para o eleitor, mesmo sendo um engodo.

Em um cenário parecido com o de hoje, em 1989, Lula passou para o segundo turno contra Collor. Mario Covas, que tinha um discurso mais ao centro, em certa medida parecido com o de Alckmin, ficou atrás de candidatos com discursos mais radicais. O tucano não corre esse risco, de ficar fora do segundo turno ao tentar se alinhar ao centro de forma dúbia?  

A gente na realidade está testando no país se o centro político dissolveu ou não. Nós que lidamos com a política, o noticiário mais cotidianamente, vivemos numa lógica de polarização, que é o que dá o tom das coisas. Mas existe uma massa significativa dos eleitores que é silenciosa, que se posiciona apenas em momentos específicos. E essa zona mais cinzenta, não dá para saber seu tamanho.

Se o centro derreteu, teremos um segundo turno polarizado, igual em 1989, e as chances de acontecer algo parecido com Lula e Bolsonaro aumentam. Porém, se esse centro não derreteu, uma candidatura como a de Alckmin ou até de Luciano Huck, para dialogar com esse centro, ganha maior alcance.