Notícia

Médicos retomam atendimento hoje após três dias de paralisação

POR Tribuna do Norte, 06/07/2019

Após três dias de paralisação, os médicos vinculados à Cooperativa Médica do Rio Grande do Norte (Coopmed-RN) decidiram retomar as atividades a partir deste sábado (6). A decisão foi tomada após negociações entre os médicos e a Secretaria do Estado de Saúde Pública (Sesap) na tarde desta sexta-feira (5). O estado depositou o salário referente ao mês de janeiro na conta do Município e se comprometeu a pagar o mês de fevereiro até o final de julho.

Ainda na sexta, a Sesap realizou o depósito no valor de R$ 1,2 milhão referente ao valor devido aos médicos do mês de janeiro. O dinheiro foi depositado para o município, que deve repassá-lo às Cooperativas. Ao todo, 156  profissionais de sete hospitais que atendem pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) através da Cooperativa paralisaram os serviços.

Foram interrompidos atendimentos de especialidades como ortopedia, oncologia, cirurgias pediátricas, cardíacas e neurocirurgias. Mensalmente, de acordo com a Coopmed, cerca de 2,2 mil cirurgias são realizadas pelos médicos, que estavam desde janeiro com os salários atrasados.

“Discutimos todos os atrasos, a inadimplência com todos os contratos e houve uma proposta para tentar equalizar os pagamentos”, disse o presidente da Coopmed, Marcelo Cascudo. De acordo com o médico, além da discussão sobre a folha salarial, também ficou definida a criação de um Grupo de Trabalho, que vai contar com membros tanto da Secretaria como das cooperativas, a fim de discutir de forma contínua os principais problemas da rede de atendimento.

“Nós vamos estar acordando sobre como melhorar a efetividade e racionalidade dos recursos que hoje são contratados com a Cooperativa para poder melhorar a produção dos serviços e, assim, construindo respostas que possam dar respostas aos problemas das cirurgias eletivas no Estado”, afirma o titular da Sesap, Cipriano Maia. Ao todo, a Sesap possui cerca de R$ 123 milhões de restos a pagar, em dívidas com servidores e fornecedores, herdados da administração anterior. 

“Esse grupo de trabalho vai permitir que a gente discuta como equalizar os valores dos pagamentos dos plantões dos profissionais. Foram avanços importantes, porque saímos do contexto de conversarmos somente em situações de crise para conversar também de forma programática, para evitar paralisações que só trazem prejuízos para a população e para os próprios profissionais”, disse o Secretário.

Além do presidente da Cooperativa Médica, também esteve presente na reunião o presidente da Cooperativa dos Anestesiologistas, Madson Vidal. “Em relação ao Estado, nós conseguimos fazer a negociação, mas ainda temos uma dívida muito grande com a Prefeitura de Natal, que ainda nos deve duas parcelas de 2018 e não pagou ainda nenhum mês de 2019”, diz o médico.

De acordo com ele, os anestesiologistas, que dão plantão em todos os hospitais públicos, além de terem contratos vinculados como a Coopmed, não pretendem paralisar as atividades, mas esperam que a Prefeitura realize os pagamentos em breve. “Vamos continuar trabalhando e esperamos que a Prefeitura tenha a sensibilidade de resolver o problema, porque se não vai ficar uma situação difícil, e a Cooperativa não vai poder obrigar os profissionais a trabalhar”, afirma.

Além dos médicos, a Prefeitura possui também dívidas com o Hospital Memorial, responsável por grande parte das cirurgias eletivas feitas através do SUS. De acordo com a Sesap, o Hospital afirma que vai atender apenas os pacientes de cirurgias vindas do Estado até que o município realize o pagamento de sua parte da dívida.

Onde

Veja os hospitais atendidos por médicos da Cooperativa que tiveram os serviços paralisados:

Hospital do Coração;

Hospital Infantil Varela Santiago;

INCOR;

Prontoclínica Dr. Paulo Gurgel;

LIGA Contra o Câncer;

Hospital Memorial;

Clínica Ortopédica de Natal.